Connect with us

Política

Freixo alerta: 'mais 4 anos da milícia dominando o Rio de Janeiro pode ser irreversível'

Marcelo Freixo foi um dos nomes mais comentados na política esta semana. Ele anunciou sua saída do PSOL, após dezesseis anos de militância no partido. Agora ele faz parte do quadro do PSB. O seu nome é cotado para concorrer ao cargo de governador do Rio de Janeiro nas Eleições de 2022. Neste sábado, Freixo…

Publicado

on

Freixo alerta: 'mais 4 anos da milícia dominando o Rio de Janeiro pode ser irreversível'

Marcelo Freixo foi um dos nomes mais comentados na política esta semana. Ele anunciou sua saída do PSOL, após dezesseis anos de militância no partido. Agora ele faz parte do quadro do PSB. O seu nome é cotado para concorrer ao cargo de governador do Rio de Janeiro nas Eleições de 2022.

Neste sábado, Freixo foi convidado para o quadro GPS Político, da comentarista política Gabriela Prioli. O bate papo foi transmitido no YouTube.

Ideologia

No início da entrevista, um comentarista pergunta em qual régua do espectro político o convidado se enquadra. Marcelo Freixo afirmou que está entre uma extrema-esquerda e a democracia social.

“Eu acho que entre uma democracia social e a extrema-esquerda há uma distância muito grande. Mas, claro que dependendo de cada leitura, de cada olhar, tem significados diferentes. O que parte da sociedade entende de extrema-esquerda pode não ser algo vinculado a princípios, a opiniões e sim atitudes violentas, que eu não caracterizo assim, isso é outra coisa “, disse.

” Eu sou uma pessoa esquerda, eu tenho uma concepção de que o estado tem um papel muito importante no enfrentamento da desigualdade. Eu não sou favorável Eu acho que políticas públicas são fundamentais e claro que eu quero um estado eficiente. Como uma democracia social brasileira ela se aproximou muito do discurso de estado mínimo, não dá pra eu estar ali numa democracia social, defesa de modelos de privatização que atendem ao mercado e não a população foram defenidos didas pela democracia social brasileira.

Então, eu tô ali evidentemente numa posição a esquerda da democracia social, mas entendendo e defendendo políticas públicas de estado. Mas, longe de uma posição sectária, sem diálogo “, explicou.

Democracia e Rio de Janeiro

Em um momento polarizado da política nacional, Freixo defende que os diferentes conversem para exercer o verdadeiro sentido da democracia.

“Isso não pode me impedir de conversar e de dialogar. Votar contra. Mas de ouvir. Eu tenho princípios muitos sólidos. Eu não tenho nenhum problema de conversar e nenhum problema de alguém poder mudar minha opinião sobre determinados assuntos. Que bom! Então, a gente precisa entender o que especialidade a gente tá chamando de democracia quando vai falar de algo “, disse.

de Janeiro no pleito de 2022 mostra a preocupação com o momento atual do estado.

“Eu tenho falado, o Rio de Janeiro, hoje, tá numa situação tão dramática. Sabe esse debate da Amazônia que a gente faz? Tá atingindo o ponto da curva que pode ser irreversível. Eu acho que o Rio tá atingindo o ponto da curva que pode ser irreversível. Se a gente não puder mudar a estrutura de poder e de diálogo do Rio de Janeiro pode ser irreversível. Mais quatro anos da milícia dominando o Rio de Janeiro pode ser irreversível “, alertou.

© TODOS OS DIREITOS RESERVADOS

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp