Connect with us

Política

Defesa pede para STJ invalidar busca e apreensão contra Crivella

A defesa do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), entrou nesta 6ª feira (11.set.2020) com pedido de habeas corpus no STJ (Superior Tribunal de Justiça) para invalidar os mandados de busca e apreensão na casa do político e na residência oficial, o Palácio da Cidade.Para os advogados do prefeito, a ação desta 5ª…

Publicado

on

Defesa pede para STJ invalidar busca e apreensão contra Crivella

A defesa do prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella (Republicanos), entrou nesta 6ª feira (11.set.2020) com pedido de habeas corpus no STJ (Superior Tribunal de Justiça) para invalidar os mandados de busca e apreensão na casa do político e na residência oficial, o Palácio da Cidade.

Para os advogados do prefeito, a ação desta 5ª feira (10.set.2020) “representa grave lesão não apenas ao sistema normativo, como incalculável violação à dignidade humana”. Alegam ilegalidades como a não listagem dos bens apreendidos, a não realização do auto da operação e o não acompanhamento a membros do Ministério Público e da Polícia Civil ao trafegar nos cômodos dos locais.

Outro argumento é de que a ação teria sido autorizada com o objetivo de prejudicar politicamente o prefeito do Rio, que foi confirmado pelo Republicanos como candidato à reeleição.

“Não há como admitir que agentes públicos tentem influenciar no pleito eleitoral, levando de forma clara e com o intuito de prejudicar o paciente. Tal prática, aliás, é expressamente vedada pela Lei das Eleições”, declarou a defesa.

A ação é 1 desdobramento da operação Hades, deflagrada em março, que apura 1 suposto ‘QG da Propina’ na Prefeitura do Rio. A investigação ocorre com base em delação premiada do doleiro Sérgio Mizrahy, preso na operação Câmbio Desligo, 1 dos desdobramentos da Lava Jato fluminense. Na busca, os oficiais apreenderam o celular de Crivella.

Segundo Mizrahy, o esquema tinha como operador Rafael Alves, nome forte na Prefeitura, apesar de não ter cargo oficial. Ele é irmão do ex-presidente da Riotur, Marcelo Alves –os 2 foram os principais alvos dos mandados de março. O doleiro não soube dizer se Crivella sabia da existência da estrutura.

Ao todo, o 1º Grupo de Câmaras Criminais do Tribunal de Justiça do Rio expediu 22 mandados de busca e apreensão a pedido do Gaocrim (Grupo de Atuação Originária Criminal), que investiga agentes públicos com foro privilegiado.

Continuar lendo

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp