DestaquePlantão Jogo Aberto

Visão de Fato – 09 de Julho de 2020

Gabinete do ódio está a todo vapor – e não é no Planalto

Ministério da Saúde liberou quase R$ 14 bilhões para os municípios usarem no combate ao coronavírus. A prefeita Tânia Terezinha da Silva, de Dois Irmãos (RS) pedia recursos em caráter imediato para o seu município.

Depois houve elogios dos prefeitos Firmino Filho, de Teresina (PI); Marquinhos Trad, de Campo Grande (MS); Edvaldo Nogueira, de Aracaju (SE); e de Jonas Donizete, de Campinas (SP), direcionados ao ministro Pazuello.

Prefeitos de diferentes partidos aprovaram os critérios técnicos dele. Onde é preciso ajudar a população o dinheiro aparece, não interessa o partido do prefeito. Agora eles podem aplicar essa verba onde é necessário.

Coquetel salvador.

Nesta quarta-feira (8), o presidente Jair Bolsonaro tomou a quarta dose de hidroxicloroquina. Ele começou a tomar o medicamento logo que teve os primeiros sintomas da doença. O presidente me confirmou que também está tomando a azitromicina, com recomendação do médico que o está assistindo.

Ele não tomou ivermectina a titulo de prevenção como muitos tem feito.

Ele não se preveniu, e acabou infectado com o vírus já que viaja bastante e sempre está em locais com muita aglomeração de pessoas. Mas o presidente disse que está muito bem, sem febre e sem dores.

É mais ou menos esse o quadro que relatam os médicos, quando a hidroxicloroquina, ivermectina e azitromicina são aplicados logo no início da doença em pessoas saudáveis.

Por que tanto ódio?

O gabinete do ódio estava a toda velocidade na imprensa escrita e na internet, tem gente desejando a morte do presidente. O ódio expressado por essas pessoas é tamanho que chega a ser ridículo e risível.

Quando uma informação é risível, ela perde a credibilidade. É bom a gente lembrar aos jornalistas que sem credibilidade a profissão deixa de existir. O Fernão Lara Rezende fez um artigo com o título “Notícia de falecimento”, na segunda-feira (6).

O texto trata sobre a morte do jornalismo. Ele cita Joseph Pulitzer “primeiro morre a imprensa, depois a democracia”. A profissão pode morrer por causa de discurso de ódio. Precisamos ficar atentos nisso.

O interessante é que os ditos discursos de ódio nas redes sociais só saem do ar quando é atribuído a um lado, quando se atribui ao outro lado não. Se as pessoas que pediram a morte do presidente, tivessem pedido a morte do ministro Alexandre de Moraes estavam presas.

As pessoas sensatas entendem que a democracia está no equilíbrio, no contraponto de ideias, na discussão de ideia e no respeito. Todo mundo sabe que o básico é o respeito à vida humana.

Por Marco Aurélio

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar
Fechar
WhatsApp Fale via: WhatsApp