Connect with us

Esporte

Análise: mesmo sentindo falta de referência na área, Fluminense vence Fla-Flu e mantém os 100%

Publicado

on

Em seu primeiro clássico à frente do Fluminense, o técnico Odair Hellmann levou a melhor sobre o Flamengo: 1 a 0, gol de Nenê, pela 4ª rodada da Taça Guanabara. Em uma equipe ainda com diversos desfalques, o treinador viu seu time enfrentar dificuldades ao jogar sem atacante de referência na área, mas, no fim, fazer valer a experiência diante do jovem time rubro-negro.

Como o próprio treinador ressaltou na coletiva pós-jogo, o Tricolor ainda precisa corrigir erros e tem muito a crescer. E a equipe vem conseguindo aliar o processo de evolução aos resultados: é a única do Carioca com 100% de aproveitamento, com 12 pontos em quatro jogos.

– A equipe vai conseguindo evoluir dentro da nossa ideia. É passo a passo. Tivemos pouco tempo ainda. Estamos muito no início. Vai ter outras coisas a corrigir. Mas que bom que teremos coisas a corrigir, mas com 12 pontos.

Técnico Odair Hellmann dá instruções a jogadores do Fluminense — Foto: Lucas Merçon

Técnico Odair Hellmann dá instruções a jogadores do Fluminense — Foto: Lucas Merçon

Time sem homem de referência no ataque

Apesar da boa campanha, o Fluminense ainda não encontrou sua formação ideal para o ataque, principalmente na questão do centroavante. Enquanto Evanilson recupera-se de lesão e Fred é um sonho que ainda não virou realidade, as peças à disposição ainda não se firmaram. Neste cenário, Odair escalou o time sem um homem de referência na área: Matheus Alessandro na esquerda, Yago na direita, e Nenê e Miguel por dentro.

– A ideia era ter mais ainda a bola. Dois jogadores por dentro que têm um passe de muita qualidade.. Trabalhamos para que os dois não fizessem esse movimento de recuar ao mesmo tempo. Quando um viesse, o outro faria o movimento de infiltração, assim como os jogadores de lado, principalmente o Matheus. Queria tentar esse controle para fazer as infiltrações. E sabia que tinha jogadores com essas características (de referência) para o 2º tempo – explicou.

Miguel, em Fla-Flu — Foto: Lucas Merçon

Miguel, em Fla-Flu — Foto: Lucas Merçon

A estratégia, no entanto, não surtiu o efeito pretendido pelo técnico, tanto por questões de atuação, quanto pelas características de alguns jogadores. Com Nenê recuando com frequência para buscar jogo, coube ao garoto tentar os espaços mais à frente. Mas entre os zagueiros, o jovem de 16 anos não conseguiu repetir o brilho da goleada sobre o Bangu.

Pelos lados, Matheus Alessandro tinha dificuldades em dar continuidade aos lances pela esquerda, enquanto o meia Yago não se mostrava totalmente à vontade aberto na direita. O Flu tentava entrar na área trocando passes, mas se precipitava ao forçar as jogadas e parava na defesa adversária.

No 2º tempo, Odair colocou Lucas Barcelos em um primeiro momento e depois Felippe Cardoso, nos lugares de Matheus Alessandro e Miguel, e passou a jogar com um homem de referência. Ambos, no entanto, tiveram atuações discretas e a mudança do esquema não foi decisiva para o resultado do jogo.

Pressão na marcação e velocidade

E o gol decisivo acabou vindo de um contra-ataque iniciado após roubada de bola de Hudson no campo de defesa, em que o Nenê abriu para Yago e depois correu para a área. O veterano mostrou inteligência e talento para pegar o rebote de calcanhar e surpreender a defesa rubro-negra.

Hudson em Fla-Flu — Foto: Lucas Merçon

Hudson em Fla-Flu — Foto: Lucas Merçon

Gol que exemplifica algumas das características já implementadas por Odair: foco, intensidade, pressão na marcação e saída em velocidade. Com esses quesitos como alguns dos pilares, o treinador já vai, aos poucos, dando sua cara ao time.

Nenê, calcanhar, Fluminense, Fla-Flu — Foto: André Durão

Nenê, calcanhar, Fluminense, Fla-Flu — Foto: André Durão

No setor defensivo, o time tricolor ainda mostrou que precisa de entrosamento e um pouco mais de organização. Alguns erros de saída de bola geraram lances de perigo para o adversário. Um deles surgiu após bolada de Henrique em Hudson. Outro, após Luccas Claro e Egídio se atrapalharem. No fim, Lucas Barcelos foi desarmado ao tentar contra-ataque e Muriel impediu o empate.

Como Odair ressaltou na coletiva pós-jogo, a temporada ainda está no começo. Ainda há muita margem para evolução e também peças importantes para ficarem à disposição, como Ganso, Evanilson, Marcos Paulo, Fernando Pacheco, Michel Araújo, Nino e, quem sabe, Fred. E, claro, nada melhor do que evoluir com vitórias.

Ge

Continue Reading
Advertisement
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp