Curiosidades

Larvas devoradoras de isopor podem reduzir lixo plástico

Estudo da universidade de Stanford conclui que o material plástico não prejudica a nutrição ou afeta a saúde dos vermes

Um estudo realizado por pesquisadores da universidade de Stanford, nos EUA, concluiu que a larva da farinha pode ser a solução para acabar com o descarte de isopor no meio ambiente. Os resultados da pesquisa foram divulgados na publicação científica Environmental Science & Technology em dezembro de 2019.

O estudo foi o primeiro a analisar onde os resíduos químicos do plástico terminam após serem decompostos em um sistema natural, como no intestino de uma larva.

“Isso definitivamente não é o que esperávamos ver”, disse a principal autora do estudo, Anja Malawi Brandon. “É incrível que as larvas-da-farinha possam comer um aditivo químico sem acumular resíduos no corpo ao longo do tempo.”

Em trabalhos anteriores, pesquisadores e colaboradores de Stanford em outras instituições revelaram que as larvas da farinha, que são fáceis de criar e amplamente utilizadas como alimento para animais, como galinhas, cobras e peixe, podem sobreviver com uma dieta de vários tipos de plástico.

Eles descobriram que microorganismos nas entranhas das larvas biodegradam o plástico no processo. No entanto, permaneceu a preocupação sobre se era seguro usar as larvas que comeram plástico como alimento para outros animais pelo risco de produtos químicos nocivos em aditivos plásticos serem acumulados no organismo ao longo do tempo.

As larvas da farinha no experimento excretaram cerca de metade do poliestireno que consumiram como pequenos fragmentos parcialmente degradados e a outra metade como dióxido de carbono.

Segundo o estudo, as larvas de farinha alimentadas com uma dieta constante de poliestireno eram tão saudáveis ​​quanto as que fazem uma dieta normal. O mesmo aconteceu com os camarões alimentados com uma dieta constante das larvas que ingeriam o material plástico em comparação com outros que tiveram uma dieta convencional.

Embora esperançosos em soluções derivadas de minhocas para a crise mundial de resíduos plásticos, os pesquisadores de Stanford advertem que as respostas definitivas só virão na substituição do plástico por materiais biodegradáveis e na diminuição da dependência de produtos de uso único.

r7

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também
Fechar
Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar
Fechar
WhatsApp Fale via: WhatsApp