agronegócios

Preço do suíno volta a subir no mercado interno

Após período de estabilidade, o preço do suíno vivo voltou a crescer

Em função da aproximação das datas festivas de final de ano, quando tradicionalmente aumenta a demanda por carne suína, a tendência é de que os preços continuem em alta. O aumento também das exportações para a China e a baixa disponibilidade de animais para abate (CEPEA), demonstram a elevação consistente no preço nos últimos meses. Todos estes fatores indicam uma sustentação dos preços pagos aos produtores nos próximos meses.

Cenário das exportações

A China se aproxima de se tornar o destino de quase metade das exportações de carne suína brasileira. É o que mostram os gráficos a seguir (tabela 3), sendo que no acumulado do ano, o Brasil está muito próximo dos números alcançados em 2017 (tabela 2), quando batemos o recorde de embarques de carne suína in natura.


Tabela 1. Exportações totais de carne suína brasileira in natura (toneladas e receita) de janeiro a setembro de 2019 e comparativo com o mesmo período de 2018. (MDIC).


Tabela 2. Volumes totais de carne suína in natura embarcada de janeiro a setembro de 2019, em comparação com o mesmo período de 2017, quando o Brasil bateu recorde de exportação. O ano de 2019, apesar de se manter ligeiramente à frente de 2017 em volume exportado no acumulado do ano (+0,58%), contou com redução das quantidades nos meses de agosto e setembro. Em valores totais (US$), está 11,9% abaixo de 2017 (MDIC).


Tabela 3. Comparativo mês a mês (até setembro) das exportações de carne suína in natura brasileira para a China em relação ao total exportado ao longo de 2019. Desde o início do ano a China tem aumentado seu percentual de participação, chegando em setembro a 46,35%. (MDIC).


Tabela 4. Comparativo mês a mês (até setembro) das exportações de carne suína in natura brasileira para a China em 2019 em relação ao ano passado. (MDIC).

Considerando todos os produtos, entre in natura e processados, no acumulado de janeiro a setembro, as exportações brasileiras de carne de suína atingiram 524,2 mil toneladas, uma alta de 12,15% em relação ao mesmo período de 2018. As receitas no mesmo período totalizam 1,080 bilhão de dólares, 21,1% a mais que 2018 (dados da ABPA).

Segundo o MBAgro, os exportadores norte-americanos esperam realizar expressivas vendas de carne suína para a China, em função das perdas decorrentes da Peste Suína Africana (PSA). É esperado também que importadores chineses realizem compras expressivas do produto norte-americano como sinal de boa vontade com as negociações bilaterais. A China impôs em julho de 2018 uma tarifa retaliatória de 62% sobre a carne suína norte americana, em virtude do conflito comercial entre os dois países. Além dessa taxa, desde 1º de setembro deste ano, está em vigor uma tarifa adicional de 10% sobre a carne suína norte-americana.

 

Fonte: ABCS

Mostrar mais

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo
WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Fechar
Fechar
WhatsApp Fale via: WhatsApp