Política

Mentalidade sindicalista arrebentou o Brasil”, diz Salles sobre Ibama

Ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, almoça com líderes empresariais em São Paulo.

O ministro do Meio Ambiente, Ricardo Salles, culpou hoje em São Paulo os “governos anteriores” e sua “mentalidade sindicalista” por “incharem a máquina pública”, afetando duas das principais instituições ambientais brasileiras, o Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis) e a ICMbio (Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade).

“Tivemos governos anteriores que incharam a máquina publica, contrataram politicas publicas, uma serie de despesas, sem preocupação com meritocracia e metas”, afirmou o ministro quando questionado sobre a atuação do ICMBio e Ibama no atual governo. “Essa mentalidade sindicalista arrebentou nosso país”, disse Salles em almoço promovido pelo Lide (Grupo de Líderes Empresariais).

Desde de o início da gestão Bolsonaro, a quantidade de multas aplicadas pelo Ibama por desmatamento ilegal caiu. Salles chegou a criminalizar publicamente fiscais que destruíram os equipamentos usados por madeireiras em uma Unidade de Conservação no Pará.

Na ICMBio, a estratégia foi militarizar a instituição: Salles nomeou cinco Policiais Militares para a diretoria do instituto.

O ministro negou que o governo venha “desmontando” a estrutura ambiental do Brasil. “Não houve nenhuma medida de desmonte ambiental, flexibilização. O Brasil segue fazendo todas as medidas de cuidado de antes”, afirmou o ministro, para quem há uma “agenda” nos últimos meses “contra a imagem do agronegócio brasileiro no exterior”. “É absolutamente irrealista. Os fatos não sustentam essas versões.”

Sem dar nomes, ele disse que “não é verdade que [o governo] foi condescendente a atos criminosos na área ambiental”. “Mas há pressão crescente de quem vive na Amazônia que quer produzir e prosperar. Temos de ouvir com alternativa de desenvolvimento sustentável.”

Sustentabilidade

Em um auditório com empresários de todo o Brasil, Salles reafirmou sempre que pôde o compromisso do governo em gerar dividendos de forma sustentável com “o ativo” que é a Amazônia.

“Como vamos dar dinamismo econômico a essa região sem entender que a agenda da biodiversidade precisa se materializar?”, questionou, antes de alfinetar os antecessores. “O que fizeram quem sentou nesta cadeira nos últimos 20 anos?”.

Para Salles, as últimas administrações afastaram o empresariado da região. “Só quem trabalha sem fins lucrativos tem o monopólio da ética?”, questionou. Ele disse ainda que chegou o momento de romper com “a mentalidade que veio até agora de que somente alguns do terceiro setor sabem cuidar” do meio ambiente “e que a iniciativa privada só sabe explorar”.

Ele voltou a se referir aos governos passados para defender o uso da economia sustentável para resgatar “os mais de 20 milhões de brasileiros” que moram na região. “E o que foi feito nos últimos anos? Quase nada. Entrou ano, saiu ano, e o pior índice de desenvolvimento humano é na Amazônia. [?] Alguma coisa precisa ser mudada para incluir essa população, que não pode ser deixada pra atrás.”

Fonte:Uol

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Close
WhatsApp chat Fale via: WhatsApp