DestaqueOPINIÃO JOGO ABERTO

Opinião Jogo Aberto – 11 de Junho de 2019

“O que Adélio Bispo tem a ver com as supostas conversas de Sergio Moro”

“Na segunda-feira (10), houve uma audiência de instrução na Vara Federal de Juiz de Fora sobre a tentativa de assassinato do candidato que estava liderando as pesquisas, Jair Bolsonaro, no dia 6 de setembro de 2018. Os advogados de Adélio Bispo, o autor, vieram com o médico psiquiatra que atestou que ele sofre de distúrbios mentais.

O advogado, na entrevista, chegou a dizer que o ideal seria que ele ficasse uns 20 anos em um manicômio judiciário, porque corre risco e foi ameaçado. Eu não sei que risco, porque ele saiu ileso no momento da captura quando os ânimos, teoricamente, estariam quentes logo depois da facada que ele deu em Bolsonaro.

É vantagem que ele seja declarado perturbado mental porque aí ele fica impedido de fazer delação premiada, contar o que realmente aconteceu. Pois vão dizer que ele está louco e inventando coisas.

Se Adélio Bispo sair para a rua corre o risco de ser morto como arquivo vivo ou de matar sem saber que está matando – se for verdade que ele sofre com problemas mentais.

Eu estou contando tudo isso porque saiu no domingo (9) em um site uma suposta reportagem revelando um crime, o crime de violação de direitos fundamentais – que estão previstos no art. 5 da Constituição – com registros de conversas entre integrantes do Judiciário, no caso, o juiz Sérgio Moro e o procurador Deltan Dallagnol.

Isso seria muito grave. Parece que eles falaram para evitar uma entrevista de Lula, torcendo para que a Justiça não a autorizasse, porque isso poderia beneficiar a candidatura de Haddad.

Só que ninguém discutiu a facada que certamente tirou da campanha eleitoral o candidato mais forte. Ninguém parou a campanha eleitoral por causa disso, para estabelecer a isonomia. Estranho isso.

De um modo geral a mídia tratou o assunto como sensacionalista. Foi como disse o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso que foi muito barulho por nada. Eu li três vezes as tais reportagens e não encontrei nenhum crime e nenhum deslize ético de Moro.

É costume juiz conversar sigilosamente, dentro do Tribunal, com uma das partes. Ou com o representante da defesa, ou com o representante da acusação. Em uma orientação de como seria mais prático julgar o caso e o encaminhamento para ficar mais rápido. Isso é usual no Judiciário brasileiro. Vai ser difícil encontrar algum deslize de Sérgio Moro e do Deltan Dallagnol.”

Por Alexandre Garcia

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2FB Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Close
WhatsApp chat Fale via: WhatsApp