Connect with us

Esporte

Colômbia divulga relatório final do acidente com o voo da Chapecoense

Publicado

on

Segundo o documento, a aeronave estava em emergência 40 minutos antes da queda.

 

A Aeronáutica Civil da Colômbia divulgou nesta sexta-feira (27) o relatório final sobre o acidente aéreo com o voo da LaMia, tragédia ocorrida no dia 28 de novembro de 2016 e que deixou 71 mortos, incluindo jornalistas e jogadores e membros da comissão técnica da Chapecoense.

A conclusão é que o acidente aconteceu por esgotamento de combustível, insuficiente para o voo entre Santa Cruz e Medellín. O governo colombiano disse que essa situação era algo “inconcebível de acontecer”. Sem combustível, a aeronave parou de funcionar e o avião desceu até colidir.

De acordo com o documento, a aeronave estava em emergência 40 minutos antes da queda. Apesar das indicações, luz vermelha e avisos sonoros na cabine, a tripulação nada fez.

A conclusão das investigações aponta que o contrato previa escala entre São Paulo e o aeroporto de Medellín. No entanto, a LaMia planejou voo direto.

Além disso, o controle de tráfego aéreo não sabia da “gravíssima situação” da aeronave. Já a tripulação era experiente e possuía exames médicos atualizados.

A situação financeira da LaMia era precária e os salários dos funcionários estavam atrasados. A empresa não tinha organização administrativa.

O relatório ressalta que a empresa não cumpria determinações das autoridades de aviação civil em relação ao abastecimento de combustível.

Up Next

Maradona deixa clube da 2ª divisão por não conseguir acesso

Don't Miss

O senador Aécio Neves (PSDB) prestou depoimento durante quase três horas na tarde desta última quinta-feira (26) na sede da Polícia Federal em Brasília. Aécio foi ouvido no inquérito que apura se ele recebeu dinheiro das construtoras Andrade Gutierrez e Odebrecht para beneficiar as empresas na construção da usina de Santo Antônio, no Rio Madeira, em Rondônia. A defesa afirma que contribuições à campanha do senador nunca estiveram vinculadas a contrapartidas (leia nota ao final desta reportagem). Aécio responde a oito inquéritos no Supremo Tribunal Federal. Um dos donos da Andrade Gutierrez, Sérgio Andrade, disse em depoimento à Polícia Federal que fez pagamentos milionários a Aécio Neves usando um contrato fraudulento com a empresa de um amigo do senador. Sergio Andrade falou sobre um contrato de R$ 35 milhões. Ele disse aos investigadores que o contrato firmado em 2010 entre a construtora e uma empresa de um amigo de Aécio tinha como objetivo fazer com que esse recurso chegasse ao senador. Na semana passada, o Supremo Tribunal Federal transformou Aécio em réu por corrupção passiva e obstrução de Justiça. Ele foi denunciado pela Procuradoria Geral da República a partir das acusações feitas por delatores do grupo J&F. O senador nega as acusações. Nota da defesa Leia abaixo nota divulgada pela defesa do senador Aécio Neves após o depoimento à Polícia Federal. Nota da Defesa do senador Aécio Neves O senador Aécio Neves prestou, nesta quinta feira (26/04), todos os esclarecimentos solicitados em inquérito que investiga as obras da usina de Santo Antônio, no Estado de Rondônia. Por se tratar de empreendimento conduzido pelo governo federal à época, ao qual o senador e seu partido faziam oposição, não há nada que o vincule às investigações em andamento. Os próprios delatores afirmaram em seus depoimentos que as contribuições feitas às campanhas do PSDB e do senador nunca estiveram vinculadas a qualquer contrapartida.

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp