Connect with us

Visão de Fato

OPINIÃO JOGO ABERTO : 22/06/2017

Publicado

on

O Brasil precisa de mais do que a Lava Jato.

Felizmente chegou à pauta do dia a preocupação de que no Brasil a vida está reduzida às denúncias, às investigações e às delações premiadas, com seus respectivos abusos, idas e voltas. Denuncia-se tudo e todos. Denuncia-se com ou sem critério, em nome de interesses nacionais ou outros os mais diversos, muitas vezes irresponsavelmente, sem se levar em conta a reputação, a história e os compromissos de denunciados. Denunciam-se também bandalhos históricos, políticos vagabundos e enganadores, empresários forjados e que cresceram na corrupção, membros (ainda) do Executivo e do Judiciário que merecem o cerco em que estão vivendo.

Nessa tarefa têm colaborado segmentos da imprensa, da sociedade e das mídias sociais, que dão volume a um esquema de propagação de suspeitas às vezes criadas, mas também de fatos reais, que têm operado a revelação e a demolição de prósperas quadrilhas justamente alcançadas. As investigações empreendidas pela Polícia Federal, base dos processos dos quais se serve o Ministério Público para suas denúncias, ganharam o apoio de tecnologias que lhe permitem rebuscar a vida dos investigados desde seu batismo; não fosse a exposição midiática do processamento dessas investigações, estas seriam perfeitas. Show à parte, a PF é a ponta célere do conjunto da ópera, abreviando os resultados que se pretendem.

Palestra do ministro Gilmar Mendes em Recife, no Grupo de Líderes Empresariais, realçou a preocupação, como membro do STF, com a postura de membros do Ministério Público e da magistratura, levantando duras críticas à falta de objetividade na identificação do que deveria ser investigado.

Longe a pretensão de se nivelar com a mesma régua, a do ministro Gilmar Mendes, especialmente, tudo que se produziu nos últimos anos em termos da histórica responsabilização criminal de elevado número de gestores públicos, diretores de empresas estatais, políticos com mandatos no Legislativo e no Executivo – a Lava Jato é uma de nossas mais significativas conquistas históricas –, o país precisa encontrar uma saída para voltar ao desenvolvimento, à produção, ao emprego.

Estamos falidos, gravitando unicamente em torno dessa operação, que se deve avançar sem limites em seus resultados, não pode se transformar em nossa única esperança. Somos mais. O Brasil não pode esperar o fim da Lava Jato para empreender sua tão necessária agenda de reformas.

Fonte : Por  Marco  Aurelio

 

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp