Connect with us

Política

Michel Temer desiste de morar no Palácio da Alvorada

Publicado

on

Presidente retorna ao Palácio do Jaburu após sete dias

A primeira dama, Marcela Temer, com as primeiras damas dos estados no Palácio do Alvorada no início de fevereiro – Jorge William / Agência O Globo / 9-2-2017

 

BRASÍLIA — Com apenas sete dias morando no Palácio da Alvorada, o presidente Michel Temer desistiu da residência oficial e retornou ao Palácio do Jaburu, onde já estava desde 2011, quando assumiu a vice-presidência da República. Nesta terça-feira, quando retornou de Carnaval com a família na base militar de Aratu, na Bahia, a comitiva presidencial já se dirigiu ao Jaburu.

Desde que se mudou do Palácio do Jaburu para a residência oficial, o presidente Michel Temer mostrava incômodo com o novo endereço. Sempre que perguntado se estava gostando, respondia:

— Eu não, mas o Michelzinho está —, mencionando que o menino gostava de brincar com as emas no Alvorada.

Dizia também a auxiliares que o filho caçula gostava do tamanho do quarto, amplo, uma das coisas que mais lhe incomodava no palácio residencial.

Temer só morou com a família no palácio de 17 a 24 de fevereiro, e demorou seis meses para sair do Jaburu. O argumento para a demora da mudança foi o mesmo que motivou a desistência de ficar no novo palácio: o Alvorada era “grande demais” e não tinha “cara de casa”. Para receber a família Temer, foi feita uma reforma de cerca de R$ 20 mil. Desde a semana passada, as visitas turísticas ao local foram retomadas.

O Palácio do Alvorada é o primeiro prédio de alvenaria de Brasília, com projeto de Oscar Niemeyer, grandes obras artísticas nacionais e acervo bibliotecário idealizado por Carlos Drummond de Andrade e Manoel Bandeira. O filho de Temer e da primeira-dama Marcela, Michelzinho, foi a primeira criança a morar no palácio desde os anos 1960, quando filhos de João Goulart viviam na residência.

  • Presidente Michel Temer e a primeira dama, Marcela Foto: Jorge William / Agência O Globo

    Michel Temer

    Temer ficou apenas uma semana no Alvorada. Decidiu voltar ao Palácio do Jaburu, residência oficial do vice-presidente, logo após o carnaval. O Alvorada recebeu reforma orçada em R$ 24 mil para receber Michelzinho, o filho de Temer com Marcela. O menino foi a primeira criança a morar no local desde o governo João Goulart, de 1961 a 1964.

  • A ex-presidente Dilma Rousseff, ao lado de sua filha Paula, de seu genro Rafael Covolo, e do neto Gabriel, durante o desfile de 7 de Setembro, em Brasília Foto: Gustavo Miranda / Agência O Globo

    Dilma Rousseff

    Moradora do Palácio do Alvorada de 2011 a 2016, Dilma Rousseff recebia visitas do neto Gabriel, que completou um ano quando a petista assumiu a Presidência. Quatro meses antes de ser afastada de suas funções, em maio de 2016, Dilma ganhou o segundo neto, Guilherme.

  • Ex-presidente Lula da Silva jogando bola com neto e filhos na Granja do Torto, em 2002 Foto: Ailton de Freitas / Agência O Globo

    Lula

    Quando o petista assumiu a Presidência, em 2003, o filho mais novo, Luís Cláudio Lula, tinha 18 anos. Em 2004, cerca de dez amigos do caçula passaram alguns dias de férias no Alvorada e na Granja do Torto, que também é residência oficial do presidente.

  • O ex-presidente Fernando Henrique Cardozo brinca com o neto Pedro ao lado da filha e da mulher, Ruth, em 1997 Foto: José Luiz da Conceição / O Globo

    Fernando Henrique

    O tucano recebia visitas dos cinco netos no Palácio do Alvorada. As mais frequentes eram de Pedro e Júlia. O ex-presidente, que governou de 1995 a 2002, levou netos também em viagens oficiais, como para a França, em 1996, e Estados Unidos, em 2002.

  • Ex-presidente José Sarney e a mulher Marly, em 1997 Foto: Guto Costa / O Globo

    José Sarney

    Morador do Palácio do Alvorada de 1985 a 1990, Sarney recebia netos pequenos na residência oficial.

  • Ex-presidente Fernando Collor e a mulher Rosane erm frente a casa da dinda, em 1993 Foto: Gustavo Miranda / O Globo

    Fernando Collor

    O ex-presidente não morou no Alvorada, que estava em reforma à época. Collor escolheu a mansão de sua família, chamada de Casa da Dinda, que fica no Lago Norte, área nobre de Brasília. O ex-presidente João Figueiredo também abriu mão do palácio e definiu a Granja do Torto como moradia.

Antes de Temer, os ex-presidentes João Figueiredo e Fernando Collor abriram mão do Alvorada. Figueiredo morou na Granja do Torto — assim como Lula e Dilma Rousseff, temporariamente — e Collor, na Casa da Dinda, uma residência privada.

Temer ficou no Alvorada do dia 17 de fevereiro ao 24 de fevereiro. Dilma Rousseff deixou o palácio em 6 de setembro, quando foi destituída da Presidência. De setembro a fevereiro, Temer seguiu morando no Jaburu, residência da vice-presidência, e utilizou o Alvorada apenas para reuniões e eventos. De agora em diante, esse expediente será retomado.

O Palácio do Alvorada é o primeiro prédio de alvenaria de Brasília, com projeto de Oscar Niemeyer, grandes obras artísticas nacionais e acervo bibliotecário idealizado por Carlos Drummond de Andrade e Manoel Bandeira. O filho de Temer e da primeira-dama Marcela, Michelzinho, foi a primeira criança a morar no palácio desde os anos 1960, quando filhos de João Goulart viviam no prédio.

Para receber o menino de sete anos, o palácio teve de passar por adaptações, como a instalação de uma tela de proteção no segundo andar. Segundo um interlocutor do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Natural (Iphan), a tela não fere o tombamento do prédio. Ele cita que uma criança já se acidentou em um palácio de São Luís (MA), por falta de parapeito. A tela para Michelzinho seria retirada em ocasiões especiais, como em visitas de chefes de Estado. Agora que a família Temer voltou ao Jaburu, a tela será removida permanentemente.

CONHEÇA O PALÁCIO DO JABURU

  • Assinado por grandes nomes do design, pintura, arte, paisagismo e arquitetura, o palácio foi projetado em 1973, por Oscar Niemeyer Foto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • Criado para ser a residência oficial da Vice-Presidência da República, ele só foi ocupado pela primeira vez em 1977Foto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • Segundo Niemeyer, a ideia do projeto era misturar características das antigas casas de fazenda com a moderna técnica de concreto armadoFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • A vegetação do palácio é composta por plantas trazidas de todos os lugares do Brasil, além de árvores nativas do cerrado brasileiroFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • Obras de arte conferem sofisticação ao ambiente. No terraço, a escultura em bronze, Leda e o Cisne, de Alfredo Ceschiatti e, ao fundo, painel de Athos BulcãoFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • Com paredes divisórias revestidas em painéis de madeira maciça, o hall de entrada ganha um ar aconcheganteFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • A sala de estar também conta com um painel. Dessa vez, a sobreposição de peças é obra de Marianne Peretti, que favorece a iluminação internaFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • Curvo em vidro transparente e colorido, o painel da capela também é criação de Marianne Peretti, que aproveita a iluminação naturalFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

  • Além da parede revestida de carpete acústico, o cinema do palácio conta ainda com a obra em madeira pintada de Athos BulcãoFoto: Divulgação / Palácio do Planalto

Fonte: o globo

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp