Esporte

Medina bate líder Wilko, é bicampeão nas Ilhas Fiji e se torna nº 2 do ranking

Fenômeno de Maresias pula do nono lugar para a vice-liderança ao conquistar o título. Gabriel deixa Wilkinson em combinação na final, com show de tubos e aéreo alley oop;

Matt Wilkinson pode até ter garantido a liderança do ranking mundial, mas Gabriel Medina provou que é o verdadeiro rei nos tubos perfeitos de Cloudbreak, nas Ilhas Fiji. O mar subiu nesta quinta-feira, o maior dia da janela, e as ondas pesadas e tubulares chegaram a 3m, deixando as condições extremas para a final da quinta de 11 etapas do Circuito Mundial de 2016. Campeão do evento em 2014, vitória importante na corrida pelo inédito título do Brasil no surfe naquele ano, Medina conquistou o bicampeonato em grande estilo, com tubos e um aéreo alley oop. Deixou o rival em combinação, vencendo por 15.60 a 6.34. Na semifinal, o fenômeno de Maresias desbancou o americano onze vezes campeão mundial Kelly Slater. O resultado fez Gabriel ganhar 10.000 pontos e subir da nona posição para a vice-liderança do ranking, com 24.000 pontos. Wilko, com os 8.000 pelo vice-campeonato, se manteve no topo, com 32.500.

Esta foi a sexta vitória de Medina sobre Wilkinson. A única vez que o aussie superou o jovem de 22 anos foi há três anos, em 2013, na primeira fase da etapa de Bells Beach, na Austrália.

Gabriel Medina etapa fiji surfe (Foto: Divulgação/WSL)Gabriel Medina não tomou conhecimento dos rivais em Fiji e conquistou o bicampeonato (Foto: Divulgação/WSL)

Eliminado por Wilko nas semifinais, o havaiano John John Florence ocupa atualmente a terceira posição no ranking, com 23.900. Italo Ferreira, eliminado na terceira fase em Fiji, é o segundo melhor brasileiro na tabela, em quanto lugar, com 20.500. O atual campeão mundial Adriano de Souza, que caiu nas quartas diante de Medina, é o quinto e soma 20.400 pontos.

– É sensacional vencer aqui mais uma vez. Foi uma semana maravilhosa, esperei muito tempo por essas ondas perfeitas. Tive que economizar muita energia, porque foi uma etapa muito cansativa, com muita onda na cabeça. Wilko está surfando muito e vamos ter que parar esse cara nas próximas etapas. Obrigado a todo mundo, estamos juntos – disse Medina à WSL.

+ Medina e Slater tiram 10 e avançam às quartas; Mineirinho na repescagem
+ Wiggolly traça estratégia pela 1ª vitória na elite

+ Medina se defende em polêmica de onda com Jordy: “Nós dois erramos”

+ Confira o ranking da temporada de 2016

Medina deixa Wilko em combinação na final

Matt Wilkinson e Medina sofreram com a força do mar no início. Encontrar uma posição no line-up era uma missão quase impossível em condições desafiadoras, com um festival de vacas nos primeiros minutos. As notas eram baixas, porém, Medina sabia que uma boa série iria aparecer no horizonte. Não se deixou levar pela pressão e aguardou o momento para atacar. Com a prioridade, ele entrou em uma esquerda, desapareceu no tubo e acelerou para sair com segurança. Ele ainda decolou em um aéreo alley oop, tocou na água com as costas, mas se reergueu e finalizou com estilo. O 7.33 o colocou na liderança, superando o rival por 8.90 a 6.34.

Wilko reagiu e decidiu investir em uma bomba, mas não completou e levou outra vaca. Medina cresceu diante do australiano, pegou uma onda pesadíssima, entubou e ainda encaixou manobras para ganhar nota 8.27 e se isolar na ponta, com 15.60, deixando Wilkinson em combinação. A onda foi tão forte que arrebentou a cordinha da prancha do local de Maresias. Bem perto dali, na água, o pai e treinador de Gabriel, Charles Saldanha, apareceu rapidamente para dar ao filho o equipamento reserva. Enquanto isso, Matt precisava lutar contra o tempo. A cinco minutos para o fim, ele ainda precisava de combinação de notas. O panorama se manteve até o fim. O mar estava perigoso, e Wilko resolveu não arriscar. Medina ainda ameaçou entrar em uma, mas desistiu. A vitória já estava sacramentada.

Com a classificação às quartas de final, Matt Wilkinson manteve a liderança do ranking e irá vestir a lycra amarela na sexta etapa desta temporada, em Jeffreys Bay, na África do Sul, de 6 a 17 de julho. O único que poderia assumir a ponta seria John John Florence, em terceiro lugar do ranking, porém, ele precisava de um tropeço de Wilko até o round 4 em Fiji. O havaiano acabou sendo eliminado pelo aussie nas quartas e se despediu em quinto lugar.

QUARTAS DE FINAL EM FIJI

1. Gabriel Medina (BRA) 10.86 x Adriano de Souza (BRA) 8.33
2. Kelly Slater (EUA) 18.70 x Wiggolly Dantas (BRA) 9.40
3. Mick Fanning (AUS) 13.40 x Adrian Buchan (AUS) 14.60 
4. Matt Wilikinson (AUS) 14.63 x John John Florence (HAV) 10.93

SEMIFINAIS

1: Gabriel Medina (BRA) 14.67 x Kelly Slater (EUA) 12.03
2: Adrian Buchan (AUS) 12.00 x Matt Wilkinson (AUS) 13.33 

FINAL

1: Gabriel Medina (BRA) 15.60 x Matt Wilkinson (AUS) 6.34

Fonte: globoesporte

Notícias Relacionadas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

WP2FB Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
Close
WhatsApp chat Fale via: WhatsApp