Connect with us

agronegócios

Soja tem mais um pregão estável na Bolsa de Chicago nesta 6ª feira com traders cautelosos

Publicado

on

Ainda na manhã de hoje, as cotações já testaram os dois lados da tabela e, por volta de 8h15 (horário de Brasília), os preços subiam entre 1,50 e 2,25 pontos. Com isso, o novembro/18 já tinha US$ 8,63 por bushel

 

Em mais um dia de mercado técnico, os futuros da soja seguem trabalhando com estabilidade na Bolsa de Chicago no pregão desta sexta-feira (20). Ainda na manhã de hoje, as cotações já testaram os dois lados da tabela e, por volta de 8h15 (horário de Brasília), os preços subiam entre 1,50 e 2,25 pontos. Com isso, o novembro/18 já tinha US$ 8,63 por bushel.

Os traders seguem cautelosos e esperando por novidades. A guerra comercial entre China e Estados Unidos já foi absorvida pelo mercado, no entanto, mantém os investidores ainda na defensiva e aguardando os novos desdobramentos.

Nesta sexta, o presidente Donald Trump disse, em entrevista à rede CNBC, que está pronto para impor tarifas sobre US$ 500 bilhões sobre as importações chinesas e votou a chamar a atenção do mercado.

Também no radar dos traders, segue o cenário de clima nos Estados Unidos e os efeitos sobre as lavouras. E por hora, o quadro ainda não muda o potencial da temporada 2018/19.

“Há previsões de chuvas no cinturão de soja dos EUA já na proxima semana. Não seria surpresa alguma onde, apesar do momento técnico altista, vermos investidores se protegendo da possibilidade de chuvas e garantindo lucros para passar o final de semana mais tranquilos”, explica o diretor da Cerealpar e consultor do Kordin Grain Terminal, de Malta, Steve Cachia.

Veja como fechou o mercado nesta quinta-feira:

Soja: Conjunção de demanda forte, dólar e prêmios puxam preços no Brasil por mais um dia nesta 5ª

Os preços da soja no mercado brasileiro voltaram a subir nesta quinta-feira (19), pegando carona nos leves ganhos registrados na Bolsa de Chicago, no câmbio e nos prêmios altos. Os avanços chegaram a bater nos 3,45%, como foi o caso de Castro/PR, onde o último indicativo foi de R$ 90,00 por saca.

Nos portos, as referências subiram em Rio Grande. A soja disponível foi a R$ 88,60, com alta de 1,49%, e para agosto a R$ 89,50, subindo 1,70%. Em Paranaguá e Santos, estabilidade no spot em, respectivamente, R$ 91,00 e R$ 90,00 por saca e, no terminal paranaense, o preço para março/19 ficou em R$ 82,00.

“Trata-se de um reflexo de prêmios altos – embora tenham caído alguns pontos nos últimos dias – as últimas altas na CBOT e do câmbio oscilando com momentos melhores. Além disso, parece que os fretes vão se definindo em um patamar mais alto, mas pararam de subir. No Paraná, o ajuste na maioria das regiões já está mais ou menos definido”, explica Camilo Motter, economista e analista de mercado da Granoeste Corretora de Cereais.

O dólar, nesta quinta-feira, fechou estável, após subir mais de 1% ao longo do dia e chegou a testar os R$ 3,90. No fechamento, a divisa ficou com uma alta de 0,09% e valendoR$ 3,8448. A cena eleitoral brasileira começa a ganhar mais espaço no radar dos investidores.

“O apoio do centrão em síntese dá força para o Alckmin, embora seja preciso ver o quanto isso vai se refletir nas pesquisas”, afirmou o operador de câmbio da corretora H.Commcor Cleber Alessie Machado à Reuters. “Alckmin é o que mais agrada ao mercado dentre as escolhas que temos”, acrescentou.

Nessa conjuntura, o ritmo dos negócios da safra 2017/18 também melhorou no Brasil, mas não tem força ainda para voltar a seu ritmo normal para esse período do ano. Ainda segundo Motter, a safra nova segue com a comercialização travada.

“Isso por conta da insegurança quanto aos custos da nova safra e, principalmente, a grande diferença de preêios entre safra velha e nova”, diz o analista.

Além disso, há ainda uma retração do produtor neste momento diante de uma demanda muito intensa pela soja brasileira. “Continua a guerra Brasil x China e há muita gente buscando a soja brasileira. Com isso, no Brasil, o produtor mais capitalizado está segurando a soja”, explica Vitor Marasca Junior, diretor da Marasca Incorporações Imobiliárias Comércio e Exportação Ltda.

Mercado Internacional

No mercado de Chicago, os futuros da soja fecharam com ligeiras altas de 3,75 a 4 pontos nos principais contratos, e o novembro/18 – que é o mais negociado neste momento – valendo US$ 8,61 por bushel.

Os preços tiveram mais um dia de mercado técnico diante da falta de novidades que possa aquecer o andamento dos negócios. Há pouca ou nenhuma nova notícia em relação à guerra comercial entre China e Estados Unidos e o clima no Corn Belt não traz ameaças à nova safra americana.

“Traders cautelosos com o fator clima, porque apesar do momento quente e seco, há previsão de chuvas generalizadas no Centro-Oeste americano em 5 dias”, explica Steve Cachia, diretor da Cerealpar e consultor do Kordin Grain Terminal, de Malta. “A guerra comercial EUA/China provocou cancelamentos de compras de soja americana pela China, mas países como Egito, Paquistão, México e Bangladesh já compraram volume mais que o dobro quando comparado ao ano passado”, complementa o executivo.

De acordo com números trazidos pelo USDA (Departamento de Agricultura dos Estados Unidos) nesta quinta, na semana encerrada em 12 de julho, os EUA venderam 252,3 mil toneladas de soja da safra velha, contra expectativas que variavam de 200 mil a 500 mil toneladas. A maior compradora, mais uma vez, foi a Holanda. No acumulado da temporada, os americanos já têm 57.702,9 milhões de toneladas da oleaginosa comprometidas, enquanto no ano passado eram mais de 60 milhões. A estimativa total do USDA é de que as vendas totalizem 56,75 milhões de toneladas.

Da safra nova, as vendas americanas totalizaram 613,4 mil toneladas, e o principal comprador foram destinos não revelados. O intervalo esperado, nesse caso, era de 100 mil a 500 mil toneladas. A Argentina respondeu pela compra de 120 mil toneladas.

Data de Publicação: 20/07/2018 às 10:50hs
Fonte: Notícias Agrícolas

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp