Connect with us

Mundo

Ensino médio em tempo integral começará no 1º semestre de 2017

Publicado

on

Atualmente, os alunos cursam 13 disciplinas durante os três anos do ciclo escolar. Com a MP, o currículo será flexibilizado e o aluno escolherá as disciplinas que deseja cursar conforme suas áreas de interesse.

Ensino médio em tempo integral começará no 1º semestre de 2017

O ensino médio terá currículo flexibilizado e será integral nas escolas a partir do primeiro semestre de 2017. A mudança foi oficializada nesta quinta-feira (22) pelo presidente da República, Michel Temer (PMDB), e pelo ministro da Educação, Mendonça Filho (DEM).

A reformulação do ciclo foi feita por meio de medida provisória, segundo Temer e Mendonça Filho, devido “à relevância e urgência de melhorias”. Considerado um dos principais gargalos do Brasil, o ensino médio não cumpriu a meta do último Ideb (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica). O índice é divulgado a cada dois anos.

Atualmente, os alunos cursam 13 disciplinas durante os três anos do ciclo escolar. Com a MP, o currículo será flexibilizado e o aluno escolherá as disciplinas que deseja cursar conforme suas áreas de interesse.

A medida provisória também prevê que 50% dos matriculados cumpram jornada escolar em tempo integral, de no mínimo sete horas, nos próximos dez anos.

“O novo ensino médio tem por pressuposto inicial o protagonismo do jovem”, declarou Mendonça. A implantação terá um investimento de R$ 1,5 bilhão ao longo de dois anos — até o final da gestão do governo Temer. Calcula-se que 500 mil jovens estejam em escola de tempo integral até 2018.

“Não podemos ser passivos, não podemos ser tolerantes. Precisamos ter coragem de mudar. E essa não é uma mudança imposta. É uma mudança discutida”, definiu o ministro.

“Educação também deve servir para qualificação ao trabalho”, diz Temer
No discurso breve, Temer negou que o governo pretenda fazer cortes em educação e defendeu que, com as medidas da reforma, “serão construídas as bases de um desenvolvimento sustentável”.

“No nosso governo não haverá redução de verbas para a educação; a responsabilidade fiscal e a responsabilidade caminham juntas”, disse.

Para o peemedebista, a reforma contempla o que ele chama de “Estado eficiente, aquele que seja capaz de prestar serviços de qualidade aos cidadãos. O novo Ensino Médio fará isso”, declarou Temer, segundo o qual a nova estrutura “visa à nova vocação dos jovens”. “A educação deve servir para a qualificação para o trabalho, também”, completou.

MP “é preocupante” e reforma “é cosmética”, diz especialista
Para o coordenador-geral da CNDE (Campanha Nacional pelo Direito à Educação), Daniel Cara, a reformulação do ensino médio ser feita por meio de uma medida provisória “é preocupante”. Além disso, pontos importantes de atenção, como o financiamento da educação e a política de formação dos professores, não constam dentro do projeto de mudança.

“A MP é uma medida proveniente da ditadura militar, permite que o poder Executivo seja um super legislador. Diante de governos frágeis e pouco preocupados em corresponder aos cidadãos, a MP, como instrumento legislativo, torna-se um perigo”, criticou.

Cara acredita que a MP serve mais para mostrar serviço do governo que para resolver o problema do ensino médio.

“É importante observar que os governos estaduais, responsáveis pelo ensino médio, passaram anos discutindo e trabalhando com fundações empresariais e nada melhorou. A tendência é que, em termos de aprendizado, tudo fique igual. Essa reforma é cosmética porque só se dedica a mudar o percurso e não enfrenta questões estruturais, como infraestrutura das escolas, valorização dos profissionais da educação, número adequado de alunos por turma e uma nova forma de dar aulas”, concluiu.

O que é uma medida provisória?
A MP é um instrumento com força de lei que é adotada pelo presidente da República em casos considerados urgentes. Ela tem efeito imediato e um prazo de validade de até 60 dias, prorrogáveis por igual período.

Para a medida provisória se transformar definitivamente em Lei, é preciso a aprovação do Congresso Nacional. Em caso de aprovação, a MP é encaminhada para sanção presidencial, que pode vetar o texto parcial ou integralmente, caso discorde de eventuais alterações feitas durante o processo.
Fonte:Uol

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp