Connect with us

Política

Luislinda Valois é nomeada secretária de Promoção da Igualdade Racial

Publicado

on

Nomeação foi publicada nesta segunda-feira (13), no Diário Oficial da União.
Desembargadora aposentada, ela é considerada a 1ª juíza negra do país.

luislindaA desembargadora aposentada Luislinda Valois (PSDB-BA) é a nova secretária de Promoção da Igualdade Racial. Ela foi nomeada pelo presidente em exercício, Michel Temer, na sexta-feira (10). A nomeação foi publicada no Diário Oficial da União nesta segunda-feira (13).

Na semana passada, a magistrada confirmou ao G1 o convite, mas não estipulou um prazo para resposta.

Por telefone, Luslinda Valois disse ao G1 que deve ir à Brasília até quinta-feira (16) para definir a data da posse. A desembargadora aposentada, que é baiana, disse que pretende, à frente da secretaria, dar continuidade ao trabalhor que já tem sido feito e imprimir novas ações a favor dos negros. 

“Pretendo dar sequências ao trabalho que está sendo feito e criar novas ações para a inclusão do negro nos espaços de poder. Essa secretaria é uma forma de, pelo menos, amenizar o sofrimento do povo negro. Não resolve o problema, não resolve toda dívida que o Brasil tem com seus afrodescendentes”, afirmou.

Nomeação da desembargadora Luislinda Valoisfoi publicada nesta segunda-feira (13), no Diário Oficial da União. Bahia (Foto: Reprodução/ Diário Oficial da União)Nomeação da desembargadora Luislinda
Valois  foi publicada nesta segunda-feira (13)
(Foto: Reprodução/ Diário Oficial da União)

Secretaria
Hoje integrada à estrutura do Ministério da Justiça, a secretaria pertencia ao Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos no governo Dilma Roussef. A pasta foi extinta após a reforma ministerial realizada por Michel Temer.

O Ministério das Mulheres, Igualdade Racial e Direitos Humanos foi criado por Dilma em outubro de 2015 após redução ministerial. A pasta fundiu três secretarias que, até então, tinham status de ministério: Direitos Humanos, Mulheres e Igualdade Racial.

Após a posse do presidente em exercício, a ausência de mulheres e negros nos cargos de primeiro e segundo escalão foi criticada por ativistas e políticos. Após as queixas, o presidente em exercício nomeou a professora da Pontifícia Universidade Católica de São Paulo (PUC-SP) Flávia Piovesan para chefiar a Secretaria de Direitos Humanos e a ex-deputada Fátima Pelaes (PMDB-AP) para comandar a nova Secretaria de Políticas para Mulheres. Além disso,Maria Silvia Bastos Marques foi empossada como a nova presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES).

Perfil
Filiada ao PSDB, Luislinda Valois é considerada a primeira juíza negra do Brasil. Conforme informações do Tribunal de Justiça da Bahia (TJ-BA), Valois foi professora do Colégio Militar no Paraná, advogada militante do Estado da Bahia e procuradora do Departamento Nacional de Estradas e Rodagens (DNER) antes de ingressar na magistratura.

Aprovada em concurso público, entrou  na magistratura em 1984, quando foi designada para a comarca de Paramirim (BA). Desde então, jurisdicionou em 17 comarcas do Estado. EmSalvador, atuou em mais de 28 unidades judiciais e extra-judiciais.

Em dezembro de 2011, em sessão plenária extraordinária do Tribunal de Justiça, a juíza foi promovida, pelo critério de antiguidade, ao cargo de desembargadora. No ano seguinte, já aposentada, Luislinda Dias de Valois Santos tomou posse na Academia de Letras José de Alencar, em Curitiba, no Paraná, ocupando a Cadeira nº 6. Além disso, recebeu o título de embaixadora da paz da Organização das Nações Unidas (ONU), em 2012.

Fonte: G1

Continue Reading
Click to comment

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Direitos Reservados © 2020 De Fato Rondônia, Por Anderson Leviski

WP2Social Auto Publish Powered By : XYZScripts.com
WhatsApp Fale via: WhatsApp